http://www.nelsonrego.art.br/

Recordo que certa vez, depois que o Led Zeppelin se dissolveu, Robert Plant  declarou que não sabia o que a letra de Stairway to Heaven queria dizer.
Assim também com muitos jovens da década de oitenta, que foram adolescentes nos setenta, e com jovens da década de setenta, que adolesceram nos sessenta, e cometeram poesias, músicas, teatros e todos os hibridismos nas artes. Uma barafunda de transgressões da linguagem misturadas com lirismos tardios, contestação da sociedade vista da janela niilista do autor da crítica, estranhas fusões de solidariedade aos oprimidos e às chamadas minorias com exibicionismos, discursos em prol de horizontalidades anarquistas feitos por jovens que não se permitiam duvidar de si e de sua verdade libertária gritada de dedo em riste no rosto de outros por certo alienados. Uma barafunda muitas vezes bela por mais canhestra que fosse. Era, de qualquer modo, ao seu modo, o grito da vida frente a algo que ontem e hoje (hoje, Brasil, maio, 2019) é macro e é horrendo, sistematicamente horrendo. É horrendo porque não é acidente de juventude, é projeto, intenção reiterada. Em confronto com o horrendo, o canhestro se torna até lindo. Talvez mais do que a barafunda das formas e da confusão que germinava nas cabeças, valesse mesmo era a pulsação, a vida.
O Gato Negro de Três Olhos Verdes foi meu primeiro caderno de algo parecido com poesias (ver Antigamente e Viraram Raridades), publicado pelos jovens libertários, canhestros, talvez às vezes um pouco autoritários, ingênuos, confusos, talvez lúcidos, bonitos, do grupo teatral Ói Nóis Aqui Traveiz.
Paulo Flores, Jussemar Weiss e demais meninos, meninas: um longo abraço através do tempo.
No país que não lê e mais ainda não lê literatura e ainda mais não lê poesia, fui um caso raro de algo parecido com poeta que viu três mil exemplares de seu primeiro caderno serem vendidos, contando com as versões em que o caderno, antes de ter capa e ser mesmo caderno, era folhas soltas enfiadas em envelopes pardos com estampas feitas por serigrafias em cor bordô. E foi noticiado com generosidade pelos jornais: as reproduções de matérias em Antigamente demonstram. Obrigado, antigos jornalistas. Foram todos enganados pelo marketing contracultural que eu e meus amigos fazíamos? Acho que sim, inclusive eu e meus amigos. Fomos todos enganados por nós mesmos. E talvez a beleza esteja bem aí, nesse equívoco todo. Era pulsação.
Pena que não sobrou nenhum dos primeiros envelopes. Quem foi o autor ou autora das serigrafias? Que falta de gratidão a minha, que não guardei o nome, sequer a fisionomia da pessoa. Talvez o melhor dos envelopes fossem as serigrafias cor de vinho tinto que os embelezavam.

Do primeiro caderno, que resultou da aglutinação do material contido nos envelopes, guardei dois exemplares. A seta lá embaixo na próxima página, depois da letra traduzida de Stairway to Heaven, dá passagem ao caderno de capa verde com silhuetas de gatos negros.

Escada para o Paraíso
Robert Plant, Jimmy Page

(Tradução de Rebeka Fuks)

Há uma mulher que acredita
Que tudo o que brilha é ouro
E ela vai comprar uma escadaria para o paraíso
E quando chegar lá, ela sabe que
Se as lojas estiverem todas fechadas
Com uma só palavra ela conseguirá o que foi buscar

E ela vai comprar uma escadaria para o paraíso

Há uma placa na parede
Mas ela quer ter certeza
Pois você sabe que às vezes as palavras são ambíguas
Numa árvore perto do riacho
Há uma ave cantora que canta
Às vezes todos os nossos pensamentos são inquietantes

Isso me faz pensar
Isso me faz pensar

Eu sinto uma coisa ao olhar para o oeste
E meu espírito chora por estar indo embora
Em meus pensamentos, eu vi anéis de fumaça através das árvores
E as vozes daqueles que ficam olhando

Isso me faz pensar
Realmente me faz pensar

E sussurram que em breve
Se todos entoarmos a canção
Então o flautista nos levará à razão
E haverá um novo dia
Para aqueles que resistirem
E a floresta irá ecoar com risadas

Se houver um alvoroço na sua horta
Não se assuste
É só a limpeza de primavera para a rainha de Maio
Sim, há dois caminhos que você pode seguir
Mas a longo prazo
Ainda há tempo para você mudar de direção

E isso me faz pensar

Sua cabeça está cantarolando e não vai parar
Caso você não saiba
O flautista quer que você se junte a ele
Querida senhora, está ouvindo o vento soprar?
E você sabia
Que sua escadaria repousa no vento sussurrante?

E enquanto seguimos pela estrada
Com nossas sombras maiores do que as nossas almas
Vemos uma senhora que todos nós conhecemos
Que emite uma luz branca e quer mostrar
Como tudo ainda vira ouro
E se você ouvir com muita atenção
A canção enfim chegará até você
Quando tudo for um e um for tudo
Ser uma rocha e não rolar

E ela vai comprar uma escadaria para o paraíso

 
O Gato Negro de Três Olhos Verdes Veja aqui O Gato Negro de Três Olhos Verdes
Sobre o Autor Mercado de Pulgas Outros Textos Meninas em Quadrinhos
Biscoitos Para Olhar Tão Grande Quasenada Daimon Junto à Porta Noite-Égua
A Natureza Intensa Entrevistas Antigamente Um Gato Bizarro
Viraram Raridades Ontem e Hoje Geografia e Educação (In)Visibilidades
Narrativas + Cartografias Comprar On-Line Contato INÍCIO